Marketplace e as floriculturas fantasmas

A pandemia vivenciada desde o início de 2020 alterou, em grande medida, os hábitos de compra do brasileiro. Com o comércio fechado, o jeito foi se aventurar pelas compras on-line.

Com as floriculturas não foi diferente! Segundo dados do Ibraflor (Instituto Brasileiro de Floricultura), a procura pelo e-commerce provocou um aumento de 10% no setor em 2020 na comparação com o ano anterior.

A carioca Andrea Elkind, deu início em sua história de empreendedorismo em 2019, quando criou a “Lucho Verde”, uma floricultura fantasma que funcionava 100% online, sem nenhum espaço físico para vendas. Com o início da pandemia e o apelo do comércio eletrônico, o projeto ganhou forças e decolou!

Em 2021, com a retomada da abertura do comércio, Andrea abriu a primeira loja física para venda de seus arranjos e plantas. Mas até a realização desta conquista, a “Lucho Verde” foi gerida da residência da artista floral. Aliás, até hoje, é ela quem trabalha em todas as frentes do negócio, desde a compra das flores para montagem dos arranjos até a entrega do produto. Demais, não é?

Se você quer saber mais sobre a “Lucho Verde”, clica aqui pra ouvir nosso bate-papo com a Andrea Elkind no Floracast, o podcast da Cooperflora!